Governo quer lançar programa habitacional Casa Verde Amarela semana que vem

Substituirá Minha Casa Minha Vida

Objetivo: alcançar 1 mi de famílias

O governo espera o aval do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para implementar as mudanças nas regras de concessão de financiamento e subsídios para famílias de baixa renda, que são a base para o anúncio do novo programa habitacional que vai substituir o Minha Casa, Minha Vida (MCMV), o Casa Verde Amarela. O governo federal estuda baixar as taxas de juros dos financiamentos para a compra de moradias.

O programa deve ser lançado na próxima 3ª feira (25.ago.2020). O anúncio foi feito pelos ministros Paulo Guedes (Economia) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) na noite desta 4ª feira (19.ago).

Ao menos 1 milhão de famílias de baixa renda serão beneficiadas com a reformulação, segundo o governo.

“Temos que comemorar a dádiva da taxa de juros de 2% ao ano. É a menor da história, o que nos permite fazer 1 plano habitacional sem recursos novos. Estamos apenas redirecionando recursos e modulando taxa de juros”, disse Marinho, na portaria do Ministério da Economia.

Para Guedes, a medida vem em boa hora. Ele afirmou que o setor da construção civil ajuda na recuperação econômica. “Estamos todos embaixo do mesmo teto, sem dinheiro novo”.

A ideia da proposta encaminhada pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) para o FGTS é dar um tratamento diferenciado, direcionando mais recursos e com juros mais baixos, para a população do Norte e Nordeste, que costuma ter uma performance pior no atual programa habitacional quando comparado com as outras regiões brasileiras.

A fonte de recursos para o programa é o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Marinho falou que o governo irá propor uma redução no rendimento do fundo. Com isso, haverá mais recursos para o programa. No ano passado, o FGTS rendeu 4,9%, acima da inflação e da taxa básica de juros.

Fontes: Portal360; Uol

Conhecendo o litoral Cearense: Aquiraz

Aquiraz é um município brasileiro no litoral do estado do Ceará, Situada a 32 km de Fortaleza, a cidade de Aquiraz guarda em suas raízes as tradições indígenas e do colonizador europeu, não esquecendo os marcantes traços da cultura africana espalhados em todo município.

Primeira capital do Ceará, Aquiraz é responsável por parte importante do fluxo de turistas que vai a Fortaleza, possuindo segundo maior parque hoteleiro do Ceará, segundo dados da Secretaria Estadual do Turismo.

Os principais atrativos naturais são os seus 36 km de praias (Porto das Dunas, Prainha, Presídio, Iguape, Barro Preto e Batoque). A sede do município é guardiã de um rico patrimônio histórico, colocando o município em lugar de destaque no cenário nacional.

Sua ocupação inicial era de casas de veraneio, dada à proximidade de Fortaleza. Recentemente, Aquiraz tem recebido investimentos privados de pequeno, médio e grande porte, e o poder público tem investido em projetos de infra-estrutura e qualificação da mão-de-obra, com o objetivo de preparar o município para a demanda crescente de turistas. Vale destacar também o empenho da Secretaria de Turismo do município em organizar toda a cadeia produtiva que se beneficia do turismo, atraindo eventos importantes e sendo protagonista da principal regata de jangadas do Estado, agregando cultura e arte – o Navegarte.

banner blog

Na região de Aquiraz é forte o Crescimento de grandes empreendimentos imobiliários como o Reserva Terra Brasilis, Loteamento fechado de lotes com completa infraestrutura de lazer e segurança. Se você optar por estar mais pertinho do Porto das Dunas uma excelente opção é O Dunnas Vilage Clube, condomínio fechado de lotes, a 5km da praia do Porto das dunas e na rotatória para ir para a Prainha, outro destino preferido dos turistas e Fortalezenses.

 

Profissionais liberais e autônomos podem financiar imóveis? Sim, podem!

Você sabia que os profissionais autônomos representam uma grande parcela dos compradores de imóveis? Pois é. No Brasil, a economia informal e os pequenos negócios, são bastante comuns, representado boa parte do dinheiro circulante no país.

 

Na compra de imóveis financiados, há vários questionamentos e muitas dúvidas por parte de quem está comprando o imóvel. Somado a isso, o comprador é autônomo/profissional liberal. E então, como fazer? Como comprovar a renda que é um dos fatores primordiais para aquisição do financiamento?

 

Trabalhadores sem carteira assinada com atuação em áreas tão distintas quanto  odontologia, medicina, serviços e advocacia, entre outras, podem financiar seus imóveis diretamente nas construtoras ou em qualquer banco.

 

Para comprovar a renda, basta apresentar documentos como a declaração do imposto de renda, faturas de cartão de crédito, extratos bancários e contas de água, luz e telefone. O Banco analisa todo o u histórico bancário e por isso é importante ter seus pagamentos sempre em dia.

 

Quer esclarecer mais dúvidas? Entre em contato com nossa equipe. Vamos fornecer todas as informações necessárias.

falecom@escalaimoveis.com.br

veja também: Passo a passo: como contratar um financiamento imobiliário?

 

Capitalização da Caixa pode animar setor imobiliário

Com um lucro líquido extraordinário de R$ 12,5 bilhões em 2017, 202,6% superior ao do ano anterior, a Caixa Econômica Federal pode resolver seu problema de capitalização e voltar a dar forte contribuição para a dinamização do mercado imobiliário e da construção civil, setor que é de longe o maior empregador do País e que não tem acompanhado a retomada do nível de atividade da economia.

Como informou a Caixa, seu Índice de Basileia (exigência de capital em relação aos ativos ponderados pelo risco) atingiu 17,7% em 2017, bastante acima dos requisitos mínimos, não havendo necessidade de incorporar todo o lucro ao seu capital, como chegou a ser anunciado, para sanar uma deficiência de que a instituição se ressentia nos últimos anos.

Como se recorda, o Congresso chegou a aprovar a concessão de um empréstimo de R$ 15 bilhões de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) à Caixa, para superar esse obstáculo, mas a iniciativa foi congelada pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Agora, por conta do resultado robusto em 2017, a expectativa é de que a Caixa possa transferir para o Tesouro Nacional, como dispõe a lei, 25% do lucro obtido no ano passado, valor equivalente a R$ 3,125 bilhões. Para o governo, premido por dificuldades fiscais, significará um aporte muito bem-vindo.

A Caixa informa que o reforço de sua estrutura de capital no ano passado foi possibilitado por medidas de redução de despesas, incluindo limite à folha de pessoal, ajuste do processo de alocação de capital e utilização da métrica do Retorno Ajustado ao Risco no Capital (Raroc, na sigla em inglês).

A Caixa estima o lucro líquido recorrente – ou seja, o resultado que a instituição poderá obter em 12 meses – em R$ 8,6 bilhões. A previsão é de que R$ 82,1 bilhões poderão ser destinados ao setor imobiliário este ano, valor maior que o de 2017 (R$ 80,9 bilhões), mas bem inferior ao de 2016 (R$ 93,7 bilhões).

Assim, a Caixa poderá recuperar-se do baque em sua atuação nos últimos meses. O ranking da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) mostra que os bancos privados passaram a ter ascendência no financiamento imobiliário. Em dezembro, a Caixa, que costumava ser líder, ficou em quarto lugar, passando a terceiro em janeiro.

Fonte:Estadão