Feng Shui – conheça essa técnica na hora de arrumar sua casa

uma técnica para harmonizar ambientes, para atrair prosperidade e boas vibrações.

O Feng Shui é uma antiga prática chinesa, que existe há mais de 4 mil anos  – que envolve arte, técnica e sabedoria – que permite harmonizar residências e empresas por meio da decoração de interiores, de projetos arquitetônicos, do paisagismo, da disposição dos móveis, da escolha de cores, quadros e objetos que compõem os ambientes.

Confira algumas dicas simples O momento de mudar de casa é muito importante em nossas vidas e deve ser pensado e analisado com muito cuidado. Independentemente de se estar mudando para um imóvel próprio ou alugado, com ou sem uso anterior, vários fatores e características físicas e históricas do imóvel devem ser observadas. O Feng Shui, é uma poderosa ferramenta para que você decore sua casa nova.

 

 

Experimente aplicando alguns desses itens e perceba a diferença em sua vida.

  • O número na entrada da casa deve ser de fácil visualização, assim de cara as facilidades entraram em seu lar.
  • Porta de entrada com boa passagem, sem nenhuma obstrução ou espaço reduzido.
  • Sinos de vento na entrada da casa, fazendo com que o som e as vibrações do ar purifiquem sua casa.

Fachada limpa e bonita

fachada de sua casa é a primeira impressão que fica quando chegam em seu lar. Deixa-la atraente é uma forma de trazer boas energias.

  1. Tenha sempre uma fachada de casa bem pintada
  2. Mantenha sempre a entrada de sua casa limpa
  3. Nunca deixe lixo na frente da casa

Água:

No Feng Shui a água é uma das principais características da abundância, desta forma tudo que lembra um rio calmo traz abundância e paz.

  1. Fonte de água
  2. Quadros com imagem de rios
  3. Objetos com temas náuticos
  4. Foto de Cachoeira
  5. Aquário de Peixe

Fogo

Qual o local onde você prepara o que vai te dar energia durante o dia? No fogão de sua casa correto? Sim!!

No fogão e forno que devemos focar para que o elemento fogo de nossa casa fique sempre aceso.

  1. Todas as bocas do fogão devem funcionar (nenhuma pode estar entupida, mesmo que não seja utilizada);
  2. O Fogão e o Forno devem permanecer limpos e impecáveis;
  3. Nenhuma lixeira deve ficar próxima ao fogã. Isso desenergiza o elemento fogo;
  4. Isso pode parecer bobeira, mas manter o local onde a comida é feita, limpo, organizado e sempre funcionando, faz com que todas as outras energias da casa se mantenham em funcionamento;

Nada de Lixo

Quando falamos de “lixo”, estamos não apenas nos referindo ao lixinho da cozinha ou banheiro, estamos nos referindo a tudo que entulhamos dentro de casa.

Tudo que provoca acúmulo desnecessário em nossos lares!

Objetos, papéis, roupas, caixas, sapatos, livros, etc… Tudo que provoca entulho dentro de casa, faz com que as energias fiquem estagnadas, atrapalhando a prosperidade da casa.

Cores

As cores que atraem as melhores energias para os ambientes são:

  • Purpura e Vermelho – energia da prosperidade. (podem estar em todos os tipos de objetos decorativos, quadros, esculturas, cortinas, tapetes, almofadas, móveis e paredes).
  • Verde – também eleva a energia da prosperidade pois representar o elemento madeira que é o regente desta energia.
  • Amarelo, Dourado e Prateado – Atraem a riqueza (ao olhar para eles, de imediato nos lembramos de ouro e joias, e energia atrai energia similar).

Gostou? veja também: 5 dicas de decoração para deixar seu ambiente mais alegre e zenDicas de plantas para decorar seu larTOP 6 tendências para decoração

Passo a passo: como contratar um financiamento imobiliário?

O financiamento imobiliário é uma das melhores alternativas para quem quer comprar um apartamento, mas não tem o suficiente na conta para pagar à vista — situação bem rara, aliás. Contudo, para ganhar tempo e evitar problemas, você precisa checar algumas informações antecipadamente que confirmem a sua capacidade de contrair um financiamento ou até saber se o imóvel que você está adquirindo pode ser financiado.

Pré-requisitos
Para ter direito ao financiamento imobiliário, você deve preencher alguns pré-requisitos. Veja quais são eles:

ser brasileiro nato ou naturalizado ou, se estrangeiro, detentor de visto permanente no país;
ser maior de dezoito anos ou emancipado;
possuir capacidade civil, ou seja, de acordo com o Código Civil, não ser menor de 16 anos, não possuir enfermidade ou deficiência mental que impeça o discernimento ou que não esteja com capacidade para exprimir a própria vontade, mesmo transitoriamente, e que não seja ébrio habitual ou viciado em drogas;
possuir idoneidade cadastral;
não ultrapassar 80 anos e seis meses na soma da sua idade ao prazo de amortização, o que é verificado para a cobertura do seguro habitacional;
não ser proprietário e não estar em processo de compra de outro imóvel residencial na mesma cidade em que reside, caso queira utilizar recursos do FGTS;
ter capacidade de pagamento, o que você poderá comprovar na simulação que fará no próximo passo.

A simulação

Uma situação que não é rara é você ficar encantado por aquele apartamento dos seus sonhos, dar início à negociação de compra e, mesmo tendo o valor necessário para dar o sinal, ficar frustrado logo em seguida, quando, na hora de verificar as suas condições de adquirir um financiamento imobiliário, acaba descobrindo que não pode arcar com o valor das prestações. Para evitar situações como essa, a primeira medida que deve ser tomada, mesmo antes de dar início à busca pelo imóvel é fazer a simulação do financiamento. Com ela, é possível comparar os planos e as propostas apresentadas pelas instituições financiadoras e saber se o seu rendimento é suficiente para pagar as parcelas e atender às exigências do banco.

A simulação facilita bastante também na hora de definir o apê que você comprará. Afinal, de nada adianta sonhar com um imóvel que está além das suas possibilidades, ao mesmo tempo em que não seria muito bom perder a oportunidade de fechar um bom negócio se você tiver consciência de que pode bancar parcelas um pouco maiores daquelas que originalmente planejou — vários bancos possuem simuladores em seus sites que ajudam bastante nessa etapa, aliás!

Preparação

Após a simulação, naturalmente, você deve encontrar o imóvel que atende bem às suas necessidades e da sua família. Enquanto isso, para ganhar tempo, pode também esclarecer todas as dúvidas sobre o financiamento imobiliário com o corretor ou com a incorporadora do apartamento, considerando a documentação necessária, forma de contratação e outras informações. Um bom corretor ou mesmo a instituição financeira pode ajudar nessa tarefa. Aproveite para também adiantar a sua documentação pessoal, que será exigida na hora da contratação do financiamento.

É importante salientar que uma pessoa só está apta a adquirir um financiamento se não tiver nenhuma restrição cadastral, como nome incluído em listas de inadimplência ou no SPC ou no Serasa. Se houver alguma restrição, é preciso cuidar disso antes de se candidatar ao financiamento.

Confirmação da situação do imóvel

Quando encontrar o imóvel que esteja nas condições desejadas, verifique se não há sobre ele qualquer restrição que o impeça de ser financiado. Como o imóvel é a garantia do financiamento, ele deve estar plenamente regular, não havendo sobre ele qualquer pendência judicial e estar devidamente registrado no Cartório de Registro de Imóveis da cidade onde está. Por isso, no caso de um imóvel novo, há a necessidade de conferir a documentação do empreendimento com a construtora ou a incorporadora para verificar se está tudo em dia. Se for um imóvel usado, essa verificação deverá ser feita junto ao proprietário.

Envio da documentação
Nesse momento, você já deve apresentar cópias e originais dos seguintes documentos pessoais:

RG e CPF, inclusive do cônjuge, se for o caso;
comprovante de estado civil;
Certidão Conjunta Negativa de Débitos relativos a Tributos Federais e Dívida Ativa da União ou Certidão Conjunta Positiva com Efeito de Negativa desses mesmos débitos;
extrato do FGTS e Certidão Negativa de Propriedade de Imóvel, se for usar recurso do Fundo;
comprovante de renda (também do casal, se for o caso, que inclui holerite, extrato bancário e declaração de Imposto de Renda – IR); além do IR e extratos, autônomos podem apresentar a Declaração Comprobatória de Recepção de Rendimentos (Decore) feita pelo contador e ainda recibos de recebimentos, contratos de prestação de serviços e declaração do sindicato; outros casos devem ser orientados pelo banco.
No caso de imóvel usado, também devem ser apresentados os documentos do proprietário ou do casal vendedor e do imóvel, que comprove que não há nenhum impedimento sobre ele. Em caso de imóvel novo, geralmente é solicitada apenas a matrícula.

Aguarde a tramitação na instituição financeira

Após receber a sua documentação, o banco fará a avaliação do imóvel e a análise técnica das suas condições de financiamento, o que demora em torno de 30 dias. Nessa etapa, também é providenciado o seguro habitacional, que é obrigatório para qualquer financiamento imobiliário e serve para proteger você e o imóvel durante o tempo de financiamento. No caso de algum imprevisto, o seguro pode até quitar o resto das parcelas.

Assinatura e registro do contrato

Em seguida, a instituição financeira fará contato com você para conferir os dados e emitir o contrato, que será enviado para assinatura e registro no Cartório de Registro de Imóveis. É esse registro que formaliza a operação de compra e venda e é obrigatório, mesmo quando o imóvel é pago à vista. Faça o registro o mais rápido possível!

Seguindo esses passos e cercando-se das informações do banco, buscar o financiamento imobiliário será bastante tranquilo e você vai realizar esse sonho com mais tranquilidade!

Ainda tem dúvidas sobre como financiar um imóvel? Entre em contato com a gente!

Fonte:comocomprarumapartamento

Caixa reduz juros e aumenta teto para financiamento da casa própria

Banco voltou a financiar 70% do imóvel usado; redução é de até 1,25 ponto percentual no crédito imobiliário que usa recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo.

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta segunda-feira (16) a redução dos juros para financiamento da casa própria e o aumento do percentual do valor a ser financiado para compra de imóvel usado. As mudanças, que começam a valer hoje, são para linhas de financiamento que utilizam recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo.

A mudança ocorre após a Caixa reduzir duas vezes o teto de financiamento de imóveis em 2017, deixar de ter as taxas mais baixas do mercado e perder a liderança nas linhas de crédito com recurso da poupança entre novembro do ano passado e janeiro deste ano.

Esta pensando em comprar imóvel agora? Essa é a hora! Já aproveitando essa notícia, conheça essa excelente opção de Apartamento no bairro de Fátima, um dos bairros mais tradicionais de Fortaleza.

Para compra de imóveis pelo Sistema Financeiro Habitacional (SFH), onde estão enquadrados os imóveis residenciais de até R$ 800 mil para todo o país, exceto para Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, cujo limite é de R$ 950 mil, a taxa mínima de juros caiu de 10,25% para 9% ao ano.

Para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), cujos valores dos imóveis são acima dos limites do SFH, a taxa mínima caiu de 11,25% para 10% ao ano.

O percentual do valor a ser financiado dos imóveis usados subiu de 50% para 70%. Para unidades novas, foi mantido o percentual de 80% no teto do financiamento. Antes das mudanças feitas em agosto do ano passado, a Caixa financiava até 80% de imóveis usados.

Fonte:G1

Veja como ficam as taxas de juros da Caixa:

taxas-juros-caixa-casa-propria-v2

Fonte: