O que é Construcard?

Está pensando em reformar, construir? Mudou para seu novo lar e faltou orçamento para fazer seus móveis? Conheça os benefícios do cartão Construcard.

O Construcard é uma linha de crédito para compra de material de construção em lojas credenciadas pela Caixa. Ao contratar o financiamento, você recebe um cartão e tem até seis meses para comprar tudo o que precisar.

Com o cartão, você pode comprar, além de materiais de construção mais comuns (como tijolos, esquadrias, pisos, telhas e tintas), armários não removíveis, piscinas, elevadores, caixas-d’água, aquecedores solares, aerogeradores e equipamentos de energia fotovoltaica.

google-meu-negocio

Além da facilidade do débito em sua conta-corrente, você conta com a segurança e a agilidade da Caixa e com uma rede de milhares de lojas conveniadas.

Como funciona?

​O financiamento tem duas fases: utilização e amortização. A primeira fase destina-se à compra do seu material de construção, que pode ser entre dois e seis meses. Durante esse período, você paga somente os juros dos valores utilizados.

A segunda fase, que pode variar entre um e 240 meses, é a amortização do saldo devedor, ou seja, o pagamento mensal das prestações até a quitação do financiamento. Essa etapa só começa após o fim do prazo definido para compras.

Garantias: aval, alienação fiduciária de bem móvel, caução de depósito/aplicação financeira ou alienação fiduciária de bem imóvel.

Sistema de amortização: Tabela Price.

Vantagens

Imagem de uma mão segurando uma nota de dinheiro

Facilidade

As compras são feitas por meio de um cartão personalizado, em lojas credenciadas e as prestações são debitadas direto na sua conta-corrente.

Condições Especiais

Com a apresentação de garantia (alienação fiduciária de bem imóvel, caução de aplicações financeiras e/ou alienação fiduciária de veículos) você tem condições especiais! Quem recebe seu salário em conta Caixa também conta com melhores condições no financiamento! Procure uma das agências da caixa e saiba mais.

Prazos flexíveis

Prazos flexíveis de até 240 meses para clientes que apresentarem garantia real à operação (alienação de bem imóvel ou caução de aplicação financeira).

Comodidade

Desbloqueie e consulte saldo e extrato de compras do seu cartão Construcard no Atendimento Cartão Construcard pela internet Aplicativo Construcard (disponível para iOS e Android). As informações de compras realizadas são enviadas via SMS.

São milhares de estabelecimentos conveniados por todo o país que aceitam o Construcard.

Requisitos

      • Maior de 18 anos ou emancipado
      • Possuir uma conta corrente na Caixa
      • Ser aprovado nas avaliações de cadastro e de risco de crédito

 

Documentação

    • Identidade
    • CPF
    • Comprovante de Residência
    • Comprovante de Renda Atualizado
    • Documentos da garantia, se for o caso
    • Comprovante de propriedade do imóvel (carnê de IPTU/ITR com vencimento no ano corrente, certidão da matrícula do imóvel, cessão de direitos do imóvel ou, no caso do imóvel financiado pela Caixa, comprovante impresso por empregado Caixa, na agência).
    • No caso de imóvel de terceiros, basta uma declaração de ciência, assinada e com firma reconhecida, do proprietário do imóvel a ser reformado, além do comprovante da propriedade.

Vá até uma agência da caixa e saiba mais!

 

Fonte: Caixa Econômica Federal

Aprovado na Câmara o novo projeto de lei sobre distrato de imóveis com emendas do Senado

A Câmara dos Deputados aprovou na última quarta-feira, 5, as emendas do Senado ao projeto sobre o distrato de imóveis, que disciplina os valores a receber pelo mutuário na desistência da compra de imóvel.

A matéria já havia passado pela Casa em junho deste ano na forma de um substitutivo do relator, deputado Jose Stédile (PSB-RS), e precisou voltar à Câmara após aprovação de destaques pelo Senado.

Comprar um imóvel na planta ou em fase de construção poderá exigir ainda mais prudência dos consumidores em um futuro próximo, caso esse projeto de lei aprovado pela Câmara dos Deputados seja sancionado pelo presidente Michel Temer.

O texto prevê que a multa para quem desistir da compra seja de 25% ou 50%. Atualmente, os tribunais têm estabelecido valores entre 10% e 20% para casos de distrato.

O menor patamar estabelecido é de 25% pelo projeto de lei é para os imóveis que fazem parte do patrimônio da construtura. Ocorre que estes são minoria atualmente.

O presidente da Abrainc, Luiz Antonio França, comemorou a aprovação do projeto e diz que, se transformado em lei, trará mais segurança jurídica ao setor. “A Abrainc tem lutado, há alguns anos, por esse assunto, que é relevante para os incorporadores do mercado de médio e alto padrão.”

Agora é aguardar para ver o resultado. Enquanto isso, de qualquer maneira, é necessário cautela na hora de comprar seu imóvel na planta, fazendo um planejamento financeiro criterioso. Como se diz “ Negócio é bom quando é bom para os dois lados” não é mesmo?

 

Fontes: Portal R7

Eusébio: uma das melhores regiões para se investir e morar

Eusébio é um dos municípios que mais cresce no estado do Ceará e é uma das melhores cidades do Ceará para se morar. Devido ao seu grande e continuo desenvolvimento. Qualidade de vida, custo-benefício, condições de trânsito e segurança. Até 2021 a previsão de investimento da prefeitura de Eusébio para a implementação dos projetos programados é de R$ 1,3 bilhão. A evolução da cidade atrai a atenção de investidores, principalmente da construção civil, e pessoas que buscam melhor qualidade de vida.

 

O Eusébio tem liderado o ranking do Índice de Desenvolvimento Humano do estado, tornando-se a cidade com melhor IDH (índice de Desenvolvimento Humano) do Ceará, tendo uma taxa de crescimento de 38,26% em 10 anos (2000 – 2010). Logo, podemos imaginar que nos próximos 10 anos Eusébio alcançará a nota máxima do IDH. Ou seja, será referência no país em Sistema Saúde, Segurança, Empregabilidade, Economia e Educação. Isso devido ao compromisso tanto dos moradores quando dos administradores públicos com o desenvolvimento da cidade, resultando para o crescimento expressivo ao longo dos anos.

 

A cidade já conta com um shopping, com comércio amplo e um setor de serviços complexo. A grande novidade será a inauguração, ainda esse ano, do complexo de cinemas no shopping. Parceria fechada com o  Grupo Cine Cinemas para a instalação de quatro salas de exibição, sendo três salas em 3D e uma uma sala VIP de ‘’alto padrão’’.

 

 

Mesmo com a crise econômica nacional, Eusébio teve um crescimento de 14,1% no número de empresas criadas nos últimos 3 anos. O segmento das empresas varia entre: prestação de serviço, empresas comerciais e indústrias diversas.

 

O mercado imobiliário é exemplo disso. Já consolidado no município, tanto em termos de prestação de serviços quanto de ofertas de imóveis, a expectativa é só venha a se intensificar. Empreendimentos como condomínio fechado de lotes, casas e apartamentos. Desde imóveis projeto minha casa minha vida à imóveis médio/alto padrão. Desta forma, nos próximos anos, é possível esperar um aumento de investimentos em imóveis na cidade, valorizando ainda mais as construções já existentes.

Vale muito a pena investir no Eusébio!

 

Ambientes integrados e humanização de espaços

As tendências na construção civil mudam de acordo com as mudanças de comportamento das pessoas, atendendo os desejos que acabam refletindo nos hábitos de consumo e estilo de vida. Vejam que anteriormente, até mesmo quando crianças, as casas eram maiores, com grandes corredores, e quase todos com dependência de empregada. Os apartamentos tinham apenas uma vaga de garagem, depois passaram a ter duas, visando somente a necessidade dos pais que na maioria das vezes eram voltadas somente para o trabalho e filhos. Já hoje, temos apartamentos com 3 ,4, 5 vagas de garagem para atender as necessidades dos filhos também.

Hoje em dia, os projetos são mais personalizados, principalmente em se tratando de residências horizontais. Os espaços são mais bem aproveitados, observando a grande tendência que é a humanização dos mesmos para que o convívio familiar seja cada vez maior.

Fique por dentro de algumas tendências:

Espaços integrados

Há alguns anos os espaços integrados já são utilizados. Inicialmente a integração se dava entre sala e cozinha. Hoje, o ambiente estendeu-se ainda mais para um espaço gourmet. Onde podem ser feitas refeições do dia-a-dia assim como receber visitas mais formais.

FURNITURE

Inicialmente a integração entre sala e cozinha era a retirada da parede e colocação de balcões, transformando a cozinha tradicional em cozinha americana. Hoje, além de balcões, podem ser utilizadas mesas, balcões em formato de ilhas que ao mesmo tempo une os ambientes e mantém as funções de cada um. Já outros espaços podem ser delimitados com tapetes, pequenos biombos ou outros móveis, como aparadores e sofás. O importante é que os móveis não atrapalhem a circulação.

 

Cozinha gourmet

Reunir família e amigos em um ambiente confortável, investindo em aparelhos eletrodomésticos transformando a cozinha tradicional em uma cozinha bistrô. Normalmente com conceito aberto, utilizando-se de ilhas, uso de fogão cooktop e móveis projetados sob medida para que não atrapalhe a circulação no ambiente.

 

 

Espaços verdes abertos para convívio e lazer

Além dos ambientes projetados com conceito aberto e da cozinha gourmet, que agrega familiares e amigos, outras áreas para convívio e lazer têm sido priorizadas nos projetos, como os jardins de inverno (já muito usados em anos passados mas que agora vem com uma nova roupagem) e o aproveitamento de árvores nativas no terreno, sendo incorporadas ao projeto.

Essa aposta tem sido evidenciada em muitos projetos de paisagismo justamente por agregar valor estético aos espaços além do bem-estar que o impacto junto a natureza proporciona.

 

 

Quer construir no lugar certo?

Conheça excelentes condomínios fechados na região do Eusébio:

Jardins do Lago – Eusébio

Jardins Terra Brasilis – Eusébio

Azur Condomínio Clube – Eusébio

Jardins das Dunas – Eusébio

 

 

Quem desistir da compra do imóvel pode pagar multa de 50% do valor do bem

Proposta aprovada prevê que clientes que desistirem da compra de imóvel negociado na planta terão de pagar multa de até 50% do valor já pago à incorporadora.

A Câmara aprovou em 06/06/2018, projeto que regulamenta o chamado distrato. A proposta aprovada prevê que clientes que desistirem da compra de um imóvel negociado na planta terão de pagar multa de até 50% do valor já pago à incorporadora.

O porcentual de metade do valor era o defendido pelo setor da construção civil, conforme antecipou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

A multa de metade do dinheiro será aplicada nos imóveis construídos no chamado “regime de afetação” – quando o empreendimento é constituído legalmente em separado da construtora nos termos legais. Esse é o maior segmento do mercado de novos imóveis no Brasil.

Caso o imóvel não seja levantado no regime de afetação, a multa máxima será de 25%.

Além da multa, o dinheiro será devolvido ao cliente que entregar as chaves após o desconto da comissão de corretagem, impostos incidentes sobre o imóvel, taxas de condomínio e, caso a desistência ocorrer após o comprador começar a morar no local, poderá ser cobrado valor como uma espécie de aluguel pelo

empo que o cliente morou. O valor será decidido pela Justiça.

Durante a votação, deputados da oposição tentaram aprovar diversas vezes emendas reduzindo a multa para 10%. Todas as iniciativas foram sem sucesso.

Opositores prometem agora mudar o porcentual da multa durante a votação da matéria no Senado – por onde o texto ainda precisa ser aprovado antes da sanção presidencial.

Atraso

O texto aprovado prevê ainda que atraso de até 180 dias para a entrega do imóvel não gerará ônus para a construtora. Caso haja atraso superior a esse prazo de seis meses, a empresa terá de devolver todo o valor já pago pelo comprador e a multa prevista em contrato. O valor deverá ser pago nos 60 dias seguintes.

Caso o contrato não preveja multa, o comprador terá direito a indenização de 1% do valor já pago à incorporadora por cada mês de atraso somado à correção monetária.

O texto do projeto do distrato foi aprovado com a exclusão do parágrafo que abria brechas para casos em que a devolução do imóvel não representaria o fim da dívida.

O trecho retirado citava que, após a compensação dos valores, “caso os débitos do adquirente superem a quantia a ele devida, poderá o incorporador exigir o pagamento da diferença apurada”. Nesse caso rejeitado, portanto, o incorporador poderia exigir pagamento da diferença.

 

Fonte: Exame